fbpx
(062) 3414-7861                     Av. Deputado Jamel Cecilio, 3455 - Sala 406 - Qd.09 Lt.2E - Jardim Goiás – Goiânia/GO contato@grupoanexo.ind.br

Quais são as obrigações das distribuidoras de energia elétrica no Ambiente de Contratação Livre?

Como funciona a vinculação entre elas e as comercializadoras e quais os benefícios dessa união?

Neste artigo, saiba todos os detalhes que envolvem a distribuição de energia elétrica no mercado livre de energia.

Negociações no mercado livre de energia

O principal benefício do Ambiente de Contratação Livre é a possibilidade que o consumidor tem de comprar a energia diretamente das geradoras ou comercializadoras com condições livremente negociadas.

Chegando-se a um acordo benéfico para ambas as partes, o contrato é selado e o serviço prestado, e as operações podem ser divididas em curto, médio e longo prazo. As estruturações de produtos são a preço fixo, swap, hedges, entre outros.

Existem também empresas como o Grupo Anexo, que atuam nessa cadeia de negócios tanto como geradoras de energia quanto como comercializadoras do insumo.

Para exemplificar o papel dessas empresas no processo de distribuição de energia elétrica, suponha que seu negócio esteja enquadrado na categoria de Consumidor Livre e deseja contratar energia elétrica proveniente de fontes convencionais.

O Grupo Anexo atuará como comercializadora na compra do insumo junto a uma concessionária e venderá à sua empresa a um valor fixo, bem mais acessível.

Ou então, suponha que, sendo Consumidor Livre ou Especial, sua empresa deseja a aquisição de energia verde, renovável.

O Grupo Anexo atuará como geradora, através de nossas estruturas de geração de energia renovável, com as fontes solar e hídrica.

Mas, e quem garante a distribuição dessa energia elétrica?

Em ambos os casos, a distribuidora local.

Enquanto a contratação de energia deve ser gerida pelo consumidor ou algum representante e seus contratos devem ser registrados na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), a entrega física continua sob responsabilidade da distribuidora, permanecendo sua necessidade de cumprir as mesmas metas de qualidade definidas pela ANEEL.

Regulação dos Serviços de Distribuição

Segundo a ANEEL, a distribuição é caracterizada como o segmento do setor elétrico que se dedica ao rebaixamento da tensão proveniente do sistema de transmissão, à conexão de centrais geradoras e ao fornecimento de energia elétrica ao consumidor.

O sistema de distribuição é composto pela rede elétrica e pelo conjunto de instalações e equipamentos elétricos que operam em níveis de alta tensão, média tensão e baixa tensão.

Ainda de acordo com a agência, atualmente, o Brasil possui 105 distribuidoras de energia elétrica, sendo 54 concessionárias e 38 permissionárias, além de 13 cooperativas de eletrização rural, que atuam sob autorização precária e estão em processo de regularização para serem concessionárias ou permissionárias.

A regulação técnica da distribuição é conduzida pela Superintendência de Regulação dos Serviços de Distribuição (SRD).

Atribuições da regulação técnica da distribuição de energia elétrica

As principais atividades da regulação da distribuição são:

  • Estabelecer regras e procedimentos referentes ao planejamento de expansão, ao acesso, operação e medição dos sistemas de distribuição;
  • Estabelecer indicadores de qualidade do serviço e do produto energia elétrica;
  • Regulamentar as condições gerais do fornecimento de energia elétrica;
  • Implementar e acompanhar a universalização do acesso à energia elétrica;
  • Implementar e aplicar a tarifa social de energia elétrica — informações relativas às tarifas para consumidores de baixa tensão e para os consumidores de alta tensão, bem como outros assuntos relacionados.

Com isso, a ANEEL garante padrões regulatórios e coloca metas de qualidade em todas as distribuidoras para garantir que a distribuição de energia elétrica seja sempre a melhor possível. E para todos.

Além disso, a ANEEL também determina padrões regulatórios dos indicadores de qualidade na área de concessão, que podem ser influenciados por fatores externos e alheios à operação das distribuidoras, tais como: temperatura, chuva, umidade, pressão atmosférica, tipo de vegetação próxima a rede, violência de grupos armados na região e outros.

As distribuidoras devem seguir metas de qualidade definidas pela ANEEL para oferecerem distribuição de energia elétrica de qualidade.

As distribuidoras devem seguir metas de qualidade definidas pela ANEEL para oferecerem distribuição de energia elétrica de qualidade.

Engenheiros eletricistas observam a rede de distribuição de energia elétrica em um fim de tarde.
As distribuidoras devem seguir metas de qualidade definidas pela ANEEL para oferecerem distribuição de energia elétrica de qualidade.

O papel das comercializadoras na distribuição de energia elétrica

As comercializadoras são representantes fundamentais dentro do processo de negociação no mercado livre de energia. Elas podem comercializar a energia elétrica sem necessariamente serem as proprietárias dos ativos de geração.

São empresas independentes ou vinculadas a grupos geradores e/ou distribuidoras, que atuam como traders gerenciando carteiras.

Adquirem a energia para vendê-la a outras comercializadoras ou aos consumidores livres e atuam também na prestação de serviços, assessoria de negócios entre as pontas compradora e vendedora.

O papel das geradoras na distribuição de energia elétrica

As geradoras de energia elétrica — as usinas de energia — são estruturas responsáveis pelo processo de transformação de fontes (renováveis ou não) em eletricidade.

Segundo dados da CCEE, em 2020, o Brasil ultrapassou a marca de duas mil usinas de geração de energia elétrica em funcionamento.

A fonte com maior quantidade de usinas registradas continua sendo a hidráulica, com a presença de 875 Hidrelétricas, Centrais Geradoras Hidrelétricas (CGHs) e Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) em território nacional.

Em segundo lugar, as eólicas contam com 615 parques disponíveis, sobretudo nas regiões Nordeste e Sul. O Sistema Interligado Nacional (SIN) tem ainda 114 usinas solares fotovoltaicas e 401 termelétricas.

Benefícios da distribuição de energia elétrica no mercado livre

Atualmente, 32% da energia consumida no Brasil provém do mercado livre de energia. Esse avanço evidencia muitos fatores positivos, como:

  • Aumento da participação das fontes renováveis na geração de energia;
  • Maior eficiência em custos e aumento do investimento privado;
  • Redução de custos ao consumidor através de sinalização de preços mais adequada;
  • Liberdade de escolha;
  • Elasticidade de preço da demanda.

O grupo Anexo e o mercado livre de energia.

Atuando de maneira sólida no mercado energético brasileiro e com uma equipe com mais de 5 anos de experiência, o Grupo Anexo permite aos seus clientes uma negociação de aquisição de energia elétrica rápida e eficiente.

Com uma vasta área de atuação, que abrange desde o varejo até a mineração, pautamos nossas estratégias em uma busca constante de oportunidades que tragam valor para as operações energéticas de nossos clientes.

Descubra como o Grupo Anexo pode mudar o seu negócio e tenha maior poder de decisão, economia de custos, liberdade de escolha, entre outros benefícios.

Fique por dentro também de tudo o que acontece no mercado energético brasileiro e de todos os nossos projetos através de nossa rede social.

Grupo Anexo, energia para a vida.